Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sobre a Pesquisa
Início do conteúdo da página

Sobre a Pesquisa

Publicado: Segunda, 05 de Março de 2018, 12h41 | Última atualização em Segunda, 05 de Março de 2018, 12h42 | Acessos: 904

A pesquisa no IFSP

A Lei Federal No 11.892 de 29 de dezembro de 2008, que criou os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, estabelece como uma de suas finalidades a realização de pesquisas aplicadas com o objetivo de estimular o desenvolvimento de soluções técnicas e tecnológicas, estendendo seus benefícios à comunidade.

Com este intuito, o IFSP possui uma política de fomento à realização de pesquisas aplicadas, o que ocorre através de estratégias de incentivo ao corpo docente, programas de bolsas de iniciação científica alunos do ensino médio e superior, articulação para realização de convênios com empresas e outras instituições de ensino e pesquisa, incentivo à participação em eventos científicos, à produção científica e à participação em programas de órgão de fomento à pesquisa no Brasil e no exterior.

O IFSP é uma instituição que possui um caráter multidisciplinar com vocação para a área tecnológica. Este fato faz com que haja potencial para a realização de trabalhos em diversas áreas do conhecimento.

A pesquisa aplicada no Brasil

A reestruturação competitiva da economia brasileira, decorrente de sua crescente integração internacional, tem promovido alterações substanciais nas áreas de Ciência e de Tecnologia (C&T). Em 1994, os gastos totais em C&T representavam 0,7% do PIB brasileiro, ou seja, cerca de US$ 4 bilhões. Deste total, aproximadamente 80% eram provenientes da esfera pública. O grande desafio é aumentar aquele percentual para 2%, mantendo os atuais níveis de gasto público e incrementando substancialmente a participação privada no setor. O eixo central da política de C&T desloca-se da esfera da invenção e da pesquisa básica para a esfera de inovação e difusão de tecnologia, onde o agente privado passa a ter importância crescente.

A intensa competição entre empresas e países no mercado internacional tem possibilitado o aumento geral do fluxo de transferência de tecnologia. O Brasil conta com um conjunto relativamente articulado de competências em engenharias e ciências básicas, que em muito facilitam esse processo de transferência. Ademais, esse fluxo está atualmente facilitado com a introdução no País de uma nova legislação sobre propriedade intelectual que segue as orientações do Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT). As patentes, em particular, representam não só uma forma eficiente de assegurar incentivos à pesquisa aplicada, mas também um instrumento que auxilia a montagem de consórcios de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e projetos tecnológicos cooperativos, nacionais e internacionais. As agências de coordenação e fomento de C&T governamentais estão atualmente implementando projetos que facilitam a formação de redes de pesquisa cooperativa universidade-empresa, inclusive com o auxílio de legislação de incentivos fiscais.

O redirecionamento de prioridades de C&T para a pesquisa aplicada, visando fins comerciais, apresenta importantes implicações sobre a participação relativa das áreas de engenharia de produtos e processos, design, manufatura e marketing. Essas áreas constituem a maior parte do esforço necessário ao lançamento de novos produtos e envolvem necessariamente a participação do setor privado junto aos centros de pesquisa e universidades. Os organismos oficiais de coordenação e fomento voltam-se cada vez mais para a promoção dessas áreas através de incentivos fiscais e financeiros. Suporte explícito também é fornecido para a criação de parques tecnológicos e incubadoras de empresas em diferentes regiões do País.

Nos últimos anos, as políticas de C&T têm enfatizado o caráter estratégico da tecnologia para a construção do desenvolvimento social e econômico e da competitividade nacional. A pesquisa tecnológica e a capacitação laboratorial em serviços tecnológicos estão se tornando cada vez mais comprometidas com as atividades produtivas da economia, inclusive acompanhando a nova fase de investimentos estrangeiros no País.

Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação do IFSP

registrado em:
Fim do conteúdo da página